Desmame Gentil

O desmame faz parte da amamentação, ele é a fase final e não há um tempo certo para falarmos sobre isso.
Até os seis meses de idade o leite materno é tudo o que o seu bebê precisa. Não é recomendado oferecer água, chás ou qualquer tipo de suco. Completados os 6 meses, ocorre a “introdução” alimentar, ou apresentação alimentar como prefiro chamar, onde os alimentos são apresentados a criança. Nesta fase, o foco não é a quantidade ingerida, mas sim incentivar a criança a experimentar novos sabores e texturas. Até um ano de idade o leite continua sendo o principal alimento da criança, seja ele materno ou artificial.

Não há idade ideal para o desmame. No manual Brasileiro de Pediatria é recomendado a aleitamento materno até dois anos ou mais. É importante lembrar que o seio representa para criança não somente fonte de alimento, mas também afeto, aconchego, tranquilidade e interação com a mãe. Não existe um tempo certo para o desmame, cada dupla (mãe e filho), tem uma forma única levando em consideração o próprio contexto familiar, sócio-econômico e cultural. O desmame ocorre quando mãe e bebê conseguem adquirir novas formas de nutrição, interação e comunicação. E esse processo é único!

Porém, sendo a amamentação é uma via de mão dupla, ela deve ser prazerosa, equilibrando a satisfação das necessidades do bebê/criança, com as da mãe/mulher. Muitas vezes o desejo do desmame chega antes para mãe, devendo este ser respeitado e acolhido. A criança pode ficar resistente e isso gera sentimentos ambivalentes na mãe, que mesmo querendo interromper o aleitamento se sente culpada ao ver o filho chorar.

Se por algum motivo, este processo não acontece de forma tranquila, é importante que mãe e bebê sejam acolhidos e orientados em suas dificuldades. O desmame não precisa ser sofrido nem para a mãe e nem para o bebê.

Ao entender a rotina da dupla, sua história e realidade, é possível conduzir o desmame de forma gradual, tranquila e amorosa. Esse momento tão importante pode e deve ser vivido de forma afetuosa e sem traumas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *